8 de abril

  • Dia da Natação
  • Dia do Correio
Falecimento
Outros fatos


1973 — Morre Pablo Picasso

Pablo Picasso, o artista mais famoso e também o mais versátil do século XX, nasceu em Málaga (sul da Espanha), em 1881. Cresceu em ambiente artístico, já que seu pai era pintor e professor de desenho. Ocasionalmente, o menino concluía a pintura dos quadros que o pai havia começado a pintar. Assim, o garoto recebeu as primeiras orientações artísticas em casa.

Aos 15 anos, já tinha seu próprio ateliê em Barcelona. Em seguida estudou em Madri, e foi pela primeira vez a Paris em 1900, onde se instalou em 1904. Durante esse período, sua produção artística foi relativamente convencional, passando da “fase azul”, melancólica (1901-1905), para a “fase rosa”, mais alegre e delicada (1905). A mudança de estado de espírito pode ter se originado, em parte, pela ligação com Fernande Oliver, seu primeiro grande amor. As mulheres e as artes estão estreitamente relacionadas à sua trajetória. O surgimento de uma nova mulher frequentemente sinalizava uma mudança na direção artística.

Embora os trabalhos de Picasso começassem a ter sucesso comercialmente, ele decidiu abandonar a fase rosa. Em 1907, inspirado pelas esculturas ibérica e africana, pintou Les Demoiselles d´Avignon, um dos trabalhos marcantes da arte moderna. Divertindo-se com uma nova liberdade pictórica, Picasso, junto com o pintor francês Georges Braque, criou o Cubismo, proposta estética na qual o mundo visível era desconstruído em seus componentes geométricos. Esse foi um momento decisivo, em que se estabeleceu um dogma fundamental da arte moderna: o de que o trabalho de um artista não é cópia, nem ilustração do mundo real, mas um acréscimo, novo e autônomo. Graças ao Cubismo, a liberdade do artista estendeu-se também aos materiais, de forma que os meios tradicionais, como a pintura e a escultura puderam ser suplementadas ou substituídas por objetos colados nas telas, ou “montagens” de itens construídos ou “achados”.

Em 1925, Picasso começou a pintar figuras “deformadas”, extremamente expressivas, que eram, em parte, uma resposta às suas dificuldades pessoais. A partir dessa época, seus trabalhos se tornaram cada vez mais multiformes, empregando — e inventando — uma variedade de estilos como nenhum outro artista. Ele foi também um escultor criativo e, posteriormente, dedicou-se à cerâmica, com grande entusiasmo.

No final da década de 30, criou seu quadro mais famoso, Guernica, que foi uma resposta aos horrores da Guerra Civil Espanhola. Com a derrota dos republicanos, Picasso exilou-se de sua terra natal pelo resto de sua vida. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele permaneceu na Paris ocupada pelos alemães, proibido de expor, mas sem que ninguém o molestasse seriamente.

Depois da libertação de Paris, o artista ingressou no Partido Comunista e, durante alguns anos, algumas de suas obras eram declaradamente políticas. Após diversas ligações amorosas, casou-se com Jaqueline Roque, em 1961, e passou a levar uma vida cada vez mais retirada. Artisticamente prolífico até o final de sua vida, morreu aos 91 anos, em 8 de abril de 1973.


1989 — O Euro torna-se a moeda preferida dos investidores internacionais

O início da criação de uma moeda única na Europa se deu em 1989, quando a Comissão Européia publicou um relatório sobre a adoção de uma moeda comum para os países daquele continente.

 

Na primeira etapa (1990), os Estados-membros – Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos e Portugal – aboliram as restrições de movimento de capital entre si.

 

A segunda fase (1994) foi marcada pelo estabelecimento do Instituto Monetário Europeu, responsável pela coordenação da política monetária e pelo fortalecimento dos bancos centrais. Em 1995, foi eleito em Madri, pelos chefes de Estado dos países-membros, o nome da moeda: Euro.
Na terceira fase, em 1999, foram fixadas as taxas de câmbio das unidades monetárias dos países participantes, de modo que o Euro passou a ser considerado como a única moeda oficial nas negociações entre aqueles países. Ressalte-se que, nessa fase, a moeda era usada apenas em transações que não envolviam dinheiro em espécie.

 

A adoção do Euro propiciou a solidariedade política e econômica entre os países-membros, levando a inúmeras vantagens, como: eliminação da flutuação das taxas de câmbio, facilidade de comparação dos preços dos produtos, aumento e fortalecimento do comércio entre os participantes e geração de mais empregos. Desde 1999, a moeda européia se apresenta como uma importante fonte internacional de investimentos, igualando-se ao dólar.

 

O Euro teve sua estréia como moeda circulante em 1º de janeiro de 2002, em 12 países. Atualmente, a União Européia conta com 15 Estados-membros, todos eles fazendo uso da moeda comum.